PINGO DE LETRA (11) 97548-1515 

LIVRARIA (11) 95520-3535

>
POR: 35,00

COMPRAR
Imagem 1

Horizontal

CAROL, CAROLINA / Nadine Trzmielina / Sergio Santos

CAROL, CAROLINA / Nadine Trzmielina / Sergio Santos

(978-85-366-5419-5)

Pingo de Letra

Pingo de Letra - Literatura Infantojuvenil - ISBN 978-85-366-5419-5 - Formato 22 x 15 cm - 20 páginas - 1ª edição - 2018

mais informações

CAROL, CAROLINA / Nadine Trzmielina / Sergio Santos

(978-85-366-5419-5)

Pingo de Letra

Pingo de Letra - Literatura Infantojuvenil - ISBN 978-85-366-5419-5 - Formato 22 x 15 cm - 20 páginas - 1ª edição - 2018

mais informações

As combinações acima não possuem estoque.

por: R$ 35,00

Quantidade

+

-

COMPRAR

Frete e prazo

Frete e prazo

calcular

Não sei meu cep

Descrição do Produto

Carol, Carolina
Nadine Trzmielina
Sergio Santos
Ilustrador: Nadine Trzmielina e Sergio Santos

Carol, Carolina não é só para as meninas. Não mesmo. É para todas as crianças que ousam, erram e acertam. Para as que machucam o joelho, mas não desistem de aprender a andar sem as rodinhas na bicicleta. Alegremente, Carol mostra que é assim mesmo que toda criança cresce e que muito das respostas às perguntras estão nas historias dos herois e princesas que já ousaram por elas.

NADINE TRZMIELINA - Quando pequena, obrigava irmãos, primas, amiguinhas e amiguinhos indefesos a assistir aos seus “teatros” de histórias que inventava. Também incomodava os adultos com espetáculos de balé, exposições de desenhos, recortes e livros de histórias. Era divertido e disso não se esquece. Por isso continua fazendo tudo isso pela vida afora e nunca parou de fazer teatro, de pintar quadros e de escrever livros e peças de teatro. E de gostar muito de crianças.

SERGIO SANTOS - Quando ainda era o Serginho, lá no tempo da escola, sua mãe perguntava, muito brava, o que eram aquelas artes e o que estavam fazendo no caderno de matemática. Havia muitos desenhos de carros, lindos barcos e aviões velozes passeando nas últimas folhas do caderno.
– Fui eu que fiz! – dizia orgulhoso.
– Você sabe que não pode, menino. Para que serve isso? 
– É para o caderno ficar mais bonito! – ele respondia.
E até hoje ele escreve e desenha para embelezar a vida. A sua e a de muitos.